domingo, janeiro 10, 2016

Cavalo Sorraia: Padrão

Padrão

O padrão que aqui se apresenta encontra-se descrito no Stud Book da Raça Sorraia.



                                       Esbelto, garanhão da coudelaria do Dr. Schäfer, Alemanha

TIPO - Perfil subconvexilineo, eumétrico e mediolíeno. Animais sobre o pernalta, de ossatura pouco volumosa mas de muito boa textura. Musculatura pobre. Quando magros tomam a forma mulina e quando gordos arredondam.

ALTURA MÉDIA AO GARROTE - Medida com hipómetro nos animais adultos:
Fêmeas: 1,44m
Machos: 1,48m

PELAGEM - Varia do baio (pardo amarelo) claro ao baio torrado, ou do rato (pardo rato) claro ao rato escuro, sempre com lista de mulo. É mais ou menos gateado ou zebrado nos cabos e por vezes noutras partes do corpo. Crinas fartas e bicolores, com cerdas escuras na linha do meio e das cor do corpo na parte mais externa. Cauda igualmente bicolor, formando uma borla na sua base. Extremidades (ponta dos orelhas, focinho, e membros) sempre em tom escuro.

TEMPERAMENTO - Arisco no desbaste, torna-se manso e tolerante no trabalho. Reage com agilidade e finura às ajudas do cavaleiro. É por vezes reparador. O macho inteiro, se bem que manso, tem muita vivacidade.

ANDAMENTOS - São correctos, não muito extensos nem saltados. São arredondados mas não muito elevados. Podem manter velocidades notáveis por um longo período.

APTIDÃO - Sela e pequenos trabalhos agrícolas.

CABEÇA - Rectangular e seca, de perfil subconvexo, crânio nitidamente inclinado em relação à face, que é bastante comprida. Os olhos expressivos, inseridos em órbita elíptica truncada posteriormente e situada acima da linha occipito-incisiva. As orelhas são sobre o comprido, secas e móveis, de implantação algo atrasada devido à inclinação do crânio.

PESCOÇO - Bem inserido, esbelto, de comprimento médio, invertido nos animais magros, armazena gordura para a época da fome, fazendo com que se transforme e apareça rodado no animal gordo.

GARROTE - Bem destacado e muito extenso, liga-se quase a meio do dorso por uma linha suave.

PEITORAL - Não muito largo mas musculoso. O cilhadouro está bem situado sob o seladouro. O tórax é profundo e não muito largo.

COSTADO - É extenso e composto de costelas chatas e compridas que guarnecem bem o flanco.

ESPÁDUAS - De comprimento médio, são secas e relativamente oblíquas.

DORSO - É curto, horizontal e destacado das costelas.

RIM - É curto, largo e convexo e encontra harmoniosamente, sem ressalto, a garupa.

GARUPA - De largura e comprimento médio e de forma elíptica, deixando ver a crista sagrada saliente com perfil subconvexo.


                                                       Égua afilhada, Herdade de Font'Alva

MEMBROS ANTERIORES - Ligeiros de osso, mas bem aprumados.
Braços harmoniosamente inclinados.
Antebraços bem aprumados e pouco musculosos.
Joelhos bem conformados, secos e pouco volumosos.
Canelas ligeiramente compridas, secas, com tendões bem destacados com ausência de pelo remontante.
Boletos pouco volumosos, quase sem machinhos
Quartelas sobre o comprido e harmoniosamente inclinados.
Cascos bem conformados e aprumados, de aspecto ligeiro e taipa de boa qualidade.


MEMBROS POSTERIORES - Ligeiros de osso e musculatura, mas bem conformados.
Curvilhões bem conformados.
Canelas, boletos, quartelas e cascos como dos membros anteriores.

sexta-feira, janeiro 01, 2016

Cavalo Sorraia: Origem


Origem

O nome desta raça equina deve-se ao facto de ter sido recuperada a partir de um núcleo de animais encontrado na região de Coruche, no vale do rio Sorraia. Em toda a região correspondente às margens deste rio (e seus afluentes, Sor e Raia), com particular incidência entre Benavente e Mora, era frequente encontrar, nas décadas de vinte a quarenta, eguadas bastante homogéneas constituídas por este tipo de equino, de pequeno porte e conformação pobre, fortemente raiado, de pelagem rato ou baia.
Os animais desta raça são vulgarmente designados por Sorraias. Admite-se que no passado tenham sido conhecidos por zebros. Em Espanha correspondem aos Marismeños por terem existido nas marismas do Guadalquivir.

O Cavalo do Sorraia pode, na generalidade, ser definido como uma raça de cavalos de pequena estatura, eumétricos, mesomorfos e subconvexilíneos, como que de uma miniatura do cavalo lusitano se tratasse. A pelagem é caracteristicamente baio pardo ou rato, com lista de mulo e maior ou menor evidência de zebruras na cabeça e nos membros. São animais extremamente resistentes às duras condições ambientais em que sempre se criaram, aproveitando os restolhos de pastagens em terrenos pobres de cal. Estas características denunciam tratar-se de um tipo de cavalo primitivo.

Esta raça primitiva estará directamente na origem de raças de cavalos da região meridional da Península Ibérica, fruto de maior selecção e melhoramento, tanto a Puro-Sangue-Lusitano como a Pura-Raza-Española, bem como de raças equinas da América do Sul (em particular o Crioulo argentino e brasileiro), descendentes de animais oriundos do Vale do Guadalquivir. A sua relação com os Mustang da América do Norte, se bem que evidente, pode ser resultante da influência que os cavalos ibéricos, em geral, tiveram nos cavalos existentes naquele continente.

Animais correspondentes ao tipo morfológico que actualmente corresponde ao Cavalo do Sorraia – de perfil convexo e zebrados – encontram-se frequentemente representados em pinturas paleolíticas do sul da P. Ibérica, denunciando as características ancestrais desta raça. Pensa-se, pois, que representa o tipo de cavalo ibérico primitivo da região quente meridional, sendo indicado como um dos quatro tipos ancestrais das raças domésticas actuais. Foi, certamente, domesticado e marcado a fogo desde tempos remotos, pela similitude das marcas mais recentes com os desenhos encontrados nas cavernas neo e paleolíticas. A selecção e melhoramento deste tipo primitivo terá originado o cavalo de sela ibérico (que engloba as raças Puro-Sangue-Lusitano e Pura-Raza-Española) e, por influência destas, a grande maioria das raças de cavalo de sela do Mundo.


A recuperação deste tipo equino primitivo, actualmente designado por Cavalo do Sorraia, deve-se ao hipólogo Dr. Ruy d’Andrade que, em 1920, enquanto caçava narcejas nos arredores do vale do Rio Sorraia, perto de Coruche, reparou numa manada pertencente ao Sr. António Anselmo, onde se distinguiam cerca de 20 animais extremamente homogéneos, de pelagem baia ou rato, com listas de mulo e zebruras, de cabeça acarneirada, extremidades escuras e aspecto geral e carácter absolutamente primitivos. Estas características levaram-no a admitir que se tratava de uma forma selvagem, resíduo do cavalo pre-histórico da P. Ibérica, ali conservado pela pobreza da região, com poucas hipóteses de ocorrerem cruzamentos com outros tipos de cavalos mais selectos. De facto, o fraco maneio a que os cavalos eram sujeitos nestas regiões fizeram com que apenas os animais autóctones, mais primitivos e perfeitamente adaptados às condições de rusticidade pudessem sobreviver.

Por morte do proprietário a manada desmembrou-se, tendo o Dr. Ruy d’Andrade envidado todos os esforços em reunir um número significativo de animais do tipo do que vira na referida manada. Conseguiu adquirir 7 éguas e 3 machos do mesmo tipo mas de agricultores diferentes, alguns separados dos anteriores pelo rio Tejo. Foi este núcleo de animais (Tabela 1), instalados desde 1937 na Herdade da Agolada (Coruche), que o Dr. Ruy d’Andrade designou por Cavalo do Sorraia, e cuja descendência constitui o actual efectivo desta raça. Em 1948 foi adquirido um reprodutor de origem argentina, ainda hoje representado em todos os animais vivos, embora em baixa percentagem (cerca de 11%). Há que considerar um outro fundador desconhecido já que a égua Azambuja se encontrava prenhe desconhecendo-se a identidade do progenitor do produto nascido. 


A partir de certa altura os animais passaram a ser marcados a fogo na coxa direita com o ferro e um número na espádua direita. Em 1975, por força da conjuntura política nacional do momento, a eguada foi entregue à guarda da Coudelaria de Alter de onde, após algum tempo, transitou para a Herdade de Font'Alva (Elvas), tendo assim sido devolvida aos antigos proprietários. Na Coudelaria de Alter ficaram 4 poldros, dois machos e duas fêmeas, que deram origem a uma sub-população da raça, mantida desde então sobre si mesma e sob a tutela do Estado.
Em 1976 foram vendidos para a Alemanha, através do criador Prof. Schäfer, 3 fêmeas (uma baia e duas ratas) e 3 machos (dois baios e um rato). Estes animais deram origem a uma sub-população do Cavalo do Sorraia na Alemanha (Munique), que viveu sobre si mesma até um passado muito recente (1997), altura em que alguns criadores adquiriram outros exemplares em Portugal. Em 1985 foram igualmente vendidas 4 fêmeas ao criador Dr. Manuel Abecassis, originando-se um terceiro núcleo em Portugal. A população da Herdade de Font'Alva veio a ser subdividida por entre os membros da família Andrade após a morte do Eng. Fernando Sommer d’Andrade, mantendo-se o núcleo de maior efectivo no local de origem.



Cavalo Ibérico Sorraia

Em Junho de 2007 postei um artigo que se referia à Associação Internacional de Criadores do Cavalo Ibérico de Tipo Primitivo - Sorraia. Gostaria de aproveitar a oportunidade para dar a conhecer nos próximos posts mais esta raça ibérica primitiva.



quinta-feira, dezembro 31, 2015

Feliz 2016!!!

Desejo a todos um Feliz 2016!!! Que consigam conquistarem aquilo que mais ambicionam, mas acima de tudo, que tenham muita saúde.
Quanto a mim, um dos meus desejos será certamente colocar posts com mais frequência! 

sexta-feira, julho 10, 2015

Festival do Pão 2015 – LIX Semana Equestre Militar

Teve inicio esta manhã em Mafra o Festival do Pão e a LIX Semana Equestre Militar. Esta última realiza-se desde 1955.

Para todos os interessados deixo aqui o programa (ver link) que entre outros eventos, irá contar entre os dias 10 e 12 de Julho com provas de equitação (obstáculos, ensino) e a charanga a cavalo da GNR (a única no mundo que executa peças musicais em evoluções a galope).


Link do programa em: http://www.cm-mafra.pt/sites/default/files/folheto_fp_2015.pdf







sábado, julho 04, 2015

Estátuas equestres: simbologia.

Estátua de D. José I - Terreiro do Paço
 
As estátuas equestres são usadas para homenagear pessoas usando a simbologia do posicionamento das patas do cavalo.
 
Quando as quatro patas do cavalo estão no solo, significa que o homenageado morreu de causa natural. Se uma das patas estiver no ar, quer dizer que ele morreu de ferimentos resultantes de uma batalha.
 
Se duas patas estiverem levantadas, significa que ele morreu em batalha.

A Cavalo

A cavalo. Hoje às 20h30m na RTP 2.

quinta-feira, agosto 22, 2013

Quinta de Santo António: Instalações


Boxes
 
A Quinta de St.º António oferece um variado leque de acomodações para cavalos e póneis. Em função das necessidades é possível optar por boxes de maior ou menor dimensão ou ainda por baias individualizadas com paredes em alvenaria. As boxes são construídas em alvenaria e individualizadas, proporcionando o máximo conforto e permitindo a sociabilização entre eles. Todas as boxes e baias possuem manjedoura individualizada e um bebedouro com abastecimento automático de água. Actualmente, existem no Clube Hípico da Quinta de St.º António;
 
14 Boxes com 3m x 3m
15 Boxes com 2,7m x 2,7m
4 Boxes de 2m x 2m
19 baias


 
Picadeiros
 
O Clube Hípico da Quinta de St.º António possuí dois picadeiros cobertos e um descoberto. O Picadeiro principal, com as dimensões de 40m x 20m, teia em madeira, está alojado num complexo que oferece outras facilidades, como por exemplo, Bar / Restaurante, Boutique, Bancadas, com capacidade para 150 pessoas, sala de lavagens, sala de arreios, Boxes e Baias.

Para além das funcionalidades referidas, está ainda equipado com um sistema automático de aspersão de água de forma a manter o piso em perfeitas condições para a prática da Equitação.

Acrescente-se a tudo isto, um sistema de iluminação que permite a sua utilização a qualquer hora do dia ou da noite, com o objectivo de servir melhor e sempre os nossos clientes.

O Picadeiro de menor dimensões, com 18m x 12m, é ideal para aulas individuais, aquecimento dos cavalos, ou exercício prolongado, libertando o picadeiro principal para as restantes actividades.

No que respeita ao Campo de HorseBall, apesar do seu nome trata-se de um picadeiro com 60m x 25m, muito bem enquadrado entre duas serras e que proporciona imenso prazer à prática da equitação. Por se tratar de um picadeiro descoberto, torna-se extremamente agradável na Primavera e no Verão.



Campo de HorseBall

O Campo de HorseBall, é um picadeiro com 60m x 25m, adaptado para a prática do HorseBall. É aqui que as nossas equipas, Sub13, Sub16 e Seniores treinam e se preparam para defender as cores do Clube Hípico da Quinta de St.º António, nos diferentes campeonatos em que participam. A prática do HorseBall é uma modalidade equestre de grande importância para o Clube que, possui um vasto palmarés desportivo nos Campeonatos Nacionais, Taças de Portugal e Super-Taças. A Academia de HorseBall, funciona como uma escola de formação destes atletas que, retribuem a dedicação que o Clube coloca na sua preparação, com vitórias e permanentes participações nas Selecções Nacionais, Masculinas, Femininas e de Sub16.

Para além das infraestruturas acima referidas, a Quinta de Santo António possui ainda um restaurante com vista para um dos picadeiros cobertos, uma boutique (onde se pode adquirir vestuário e todo tipo de acessórios ligados à equitação), piscina e sala de convívio.


 
 

domingo, julho 28, 2013

Quinta de Santo António: Visão

 
 
O Clube Hípico da Quinta de Santo António, é fundado em 1995, fruto da paixão de uma família pelos cavalos, a família Vidinha Porto.

A paixão pelos cavalos, foi transmitida pelo avô Manuel Porto, Cavaleiro Praticante e senhor de porte altivo e distinto visitante das feiras na Golegã. Toda a família herdou a paixão pelos cavalos, o porte altivo, o carácter e a vontade no querer. Do patriarca, Joaquim Vidinha Porto aos seus três filhos, João Vidinha Porto, Rui Vidinha Porto e Maria Jesus Vidinha Porto, todos são equitadores e têm dedicado a sua vida ao ensino da equitação. A matriarca, Alice Porto têm uma enorme paixão pelo marido e pelos filhos logo, uma enorme paixão pelos cavalos.

Apesar de até então se dedicarem a outro ramo de actividade, resolveram fundar o Clube Hípico da Quinta de santo António, e iniciar uma actividade que satisfizesse a sua paixão.

Esta combinação de factores só poderia resultar num caso de sucesso, que permitiu êxitos significativos, em disciplinas como a equitação do trabalho (ver o significativo palmarés de Maria de Jesus Vidinha Porto) , o horseBall ( a mais antiga equipa em actividade) , ou a preparação de cavalos para o toureio. O Clube Hípico, dedicação a variadas modalidades equestres, com maior incidência no Ensino da Equitação e no HorseBall.

Á frente dos destinos do Clube o seu Director Técnico Rui Vidinha Porto em parceria com Maria de Jesus Vidinha Porto, têm como objectivo fundamental, continuar a dotar o clube das melhores condições para a prática desta modalidade, mantendo o rigor, a exigência e o profissionalismo, que sempre os caracterizou.

Ao longo dos anos a família Vidinha Porto foi criando as condições para que cada vez mais jovens possam partilhar desta Visão, de equilíbrio e harmonia na vida proporcionada pelo convívio com os cavalos.
 
    


quarta-feira, julho 06, 2011

Quinta de Santo António: boas recordações

Gostaria de abordar nos meus próximos posts a história do clube hípico onde aprendi a nobre arte de montar a cavalo, interrompida devido à minha intensa actividade académica.
 
No entanto não deixei de montar a cavalo, o vício ficou gravado na minha alma com ferro bem quente!

Falar do clube hípico Quinta de Santo António é falar de boas recordações...
 
 

quarta-feira, junho 22, 2011

V Feira do Cavalo



Pois é... o tempo não abunda e já há bastante tempo que não coloco nenhum post no blog. Serve este para dar conta de mais um excelente evento equestre que irá decorrer entre o dia de amanhã (23) e o dia 26 do presente mês em Ponte de Lima.


Aqui fica o programa para aqueles que tiverem o tempo que tanto me faz falta...




















segunda-feira, setembro 20, 2010

Barclays Porsche Polo Cup: 7.ª edição - parte II

Aqui ficam algumas fotos da 7.ª Edição do Barclays Porsche Polo Cup:
Excelentes condições para a prática desta modalidade. Até o tempo ajudou...



Os árbitros

A disputa pela bola
Imagens: http://o-cavalo.blogspot.com

Barclays Porsche Polo Cup: 7.ª edição - parte I

Imagem: http://o-cavalo.blogspot.com

Foi com enorme satisfação que aceitei o convite para assistir pela primeira vez a uma prova de pólo, a 7.ª edição da Barclays Porsche Polo Cup. Ainda para mais a meia final e a final que se realizou no passado dia 19, em Santo Estevão, Benavente, mais precisamente no La Varzea Polo & Golf Resort.

No sábado já se havia realizado o 1.º e o 2.º jogo, sendo que as 4 equipas que disputaram o torneio foram, a da Nespresso, a Blue & Green, a do Diário Económico e a da Boutique dos Relógios. A vencedora da prova foi a Nespresso que venceu na final a equipa do Diário Económico. No terceiro lugar ficou a equipa Blue & Green e no quarto lugar a equipa da Boutique dos Relógios.

Como não poderia deixar de ser levei a máquina fotográfica que de alguma forma ilustra a simbiose entre atleta e cavalo.

sábado, agosto 28, 2010

A paixão não diminuiu, muito pelo contrário

Pois é... já passou algum tempo desde o meu último post. A paixão pelo cavalo não diminuiu, muito pelo contrário. Outros valores se levantaram (e levantam), no caso, os académicos.
No entanto continuei (sempre que o tempo o permitiu) a montar, se bem que com menos assiduidade.
Sempre que o tempo o permita, darei informações relacionadas com esse animal nobre e que tanto amo: o cavalo.

sexta-feira, julho 11, 2008

Horseball: Campeonato do Mundo e Campeonatos Europeus feminino e sub-16 anos


A Federação Internacional de Horseball escolheu Portugal e mais concretamente, Ponte de Lima, para receber o Campeonato do Mundo e os Campeonatos Europeus feminino e sub-16 anos.

No hipódromo de Ponte de Lima, de 28 de Julho a 2 de Agosto, vão competir 24 selecções de 12 países, na disputa dos títulos mundial e europeus, que irão proporcionar aos milhares de visitantes um espectáculo, em que participam cerca de duas centenas de atletas em parceria com os seus cavalos.


A organização conjunta deste mega evento está a cargo da Associação Concelhia Feiras Novas, federação Equestre Portuguesa, Federação Internacional de Horseball, Câmara Municipal de Ponte de Lima e do Centro Equestre do Vale do Lima.


O evento contribuirá ainda para a promoção da mais antiga vila de Portugal – Ponte de Lima. Habitada desde a pré-história e implantada na região de vale do Lima, debruçada sobre o rio que lhe conferiu o nome, a vila possui um conjunto de características paisagísticas únicas, que lhe conferem uma originalidade muito própria. Actualmente, é uma zona de forte impacto turístico, inserido num concelho rico no seu património, quer arquitectónico, quer arqueológico, quer paisagístico. Quem por lá passar, nos finais de Julho, para além de poder apreciar um desporto/espectáculo, que é o Horseball poderá, ainda, conhecer melhor a região e desfrutar da sua excelente gastronomia.



CONHECER MELHOR O HORSEBALL


O Horseball é o mais espectacular desporto equestre podendo ser definido como uma espécie de “basquetebol a cavalo”.


Jogado em equipa, quatro jogadores em campo e dois suplentes, é um desporto baseado na velocidade e na destreza, mas onde a precisão entre cavalo e cavaleiro são fundamentais.

As pernas do cavaleiro são a força que comanda o galope do cavalo porque o programa motor do cavaleiro está fortemente ligado ao programa motor do cavalo. Os sentidos do homem e do cavalo estão unificados num só “ser galopante” (como se de um Centauro se tratasse), capaz de movimentos amplos e finos em busca do golo e da vitória final.


Cada galope e cada manobra no campo são produzidos em sintonia com o cavalo, e no exacto momento em que o cavaleiro está em posição de ‘tiro’ ele levanta-se ligeiramente nos estribos, estabiliza o corpo por um centésimo de segundo e, com um golpe certeiro, remete a bola ao golo (numa espécie de cesto virado de frente). Neste momento os neurónios do conjunto, cavalo-cavaleiro, trabalham em altíssima frequência para coordenar as mudanças das situações que ocorrem às dezenas, a cada décimo de segundo.


Em Portugal, a primeira demonstração de horseball decorreu em 1988, durante a Feira do Cavalo na Golegã, com a realização de dois jogos de exibição entre duas equipas compostas pelos melhores jogadores franceses e desde logo ganhou adeptos.


Hoje, existem centenas de atletas a praticar este desporto por todo o mundo, o que contribuiu para que em 2004 a Federação Equestre Internacional desse o reconhecimento merecido à modalidade.


Portugal participa desde 1992 nos campeonatos da Europa, conquistando 7 medalhas de prata e 2 medalhas de bronze.


CAMPEONATOS/CONSTITUIÇÃO DOS GRUPOS

I Campeonato do Mundo de Horseball Sénior:

Grupo I - França, Argentina, Alemanha
Grupo II - Espanha, Brasil, Inglaterra
Grupo III - Portugal, Estados Unidos, Áustria
Grupo IV - Bélgica, Canadá, Itália5º


Campeonato Europeu de Horseball Feminino:

A Espanha, B França, C Inglaterra, D Portugal, E Bélgica


5º Campeonato Europeu de Horseball Sub-16:

A Bélgica, B Inglaterra, C Espanha, D Itália, E França, F Portugal

quinta-feira, julho 03, 2008

VI Feira Anual do Cavalo

Organizado pela Associação Desportiva e Recreativa Amigos do Cavalo - Norte e com o apoio da Junta de Freguesia de Aveleda, realiza-se nos dias 9 e 10 de Agosto a VI Feira Anual do Cavalo e das Actividades Económicas de Aveleda, Lousada.
Programa
Sábado - 9 de Agosto
10h00
Inauguração oficial
10h30
Feira Franca
11h00
Demonstração de actividades económicas
15h00
VI Concurso Nacional de Modelo e Andamentos (Puro Sangue Lusitano)
Domingo - 10 de Agosto
10h00
Picadeiro aberto
15h00
Festival Equestre

http://www.equisport.pt/noticias/detalhes.php?id=4433

I Feira do Cavalo da Bairrada


A primeira Feira do Cavalo da Bairrada realiza-se de 5 a 13 de Julho no Espaço Inovação em Vila Verde.

Trata-se de uma forte aposta da Câmara Municipal num programa de qualidade e diversidade que vai ser promovido a nível nacional e que fará Oliveira do Bairro entrar no circuito de feiras deste género.

Cavalos e cavaleiros de várias regiões do país darão o brilho a esta manifestação que transforma a zona industrial de Vila Verde, em Oliveira do Bairro, num picadeiro de excelência.

No programa há uma corrida de toiros e uma garraiada, entende a Câmara de Oliveira do Bairro, que o cavalo e o toiro estão estreitamente ligados e que em qualquer organização de um dos dois temas, o outro pode e deve estar presente.

No programa do evento, que durará 9 dias, há variadíssimas actividades equestres que vão da competição ao espectáculo, de onde sobressaem o Grande Prémio Cidade de Oliveira do Bairro e uma Grandiosa corrida de Touros com nomes bem conhecidos da tauromaquia nacional.

A Gala Equestre do Centro Equestre da Lezíria Grande com o Mestre Luis Valença será imperdível com os principais números do espectáculo “La Apassionata”, o maior espectáculo equestre do mundo de entretenimento para toda a família. Assim no dia 6 de Julho, haverá uma demonstração da Escola de Toureio da Azambuja, que lidará duas novilhas seguida de uma garraiada popular.

Já no Domingo dia 13 de Julho, terá lugar uma extraordinária corrida de toiros com o seguinte cartel: João Salgueiro, Ana Batista, António Brito Paes, forcados de Montemor e Caldas da Rainha e os Toiros da Herdade de Camarate. Quem visitar por estes dias Oliveira do Bairro poderá ainda desfrutar da boa gastronomia e da cultura local nas suas variadas manifestações artísticas que vão da música ao folclore.

Horário da Feira: todos os dias das 9 h às 24h, com excepção do dia de abertura.

Festival Gastronómico: Todos os dias.


Programa
5 Julho - Sábado

11.00
Abertura Oficial da Feira

14.00
Concurso Modelo e Andamentos - Raça Cavalo Cruzado

16.00
Tarde do Pónei - Concursos (Modelo e Andamentos) e Demonstrações ( o Pónei e a Criança)
17.00
17ª Jornada do Campeonato Nacional de Horseball Masters

17.00
Reedição das Sortes Antigas (Arte Tauromáquica)Treino do Grupo de Forcados Juvenis da Escola Superior Agrária de Coimbra - Praça de Toiros

14.00-20.00
Demonstração de Saltos em Liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

19.00
Horseball - Jogo de demonstração da Selecção Nacional Sub 16

20.30
Colóquio sobre Horseball, pela Associação de Jogadores de Horseball - Auditório

21.30
Colóquio subordinado ao tema “ O Cavalo e o Toiro na Região Centro), pelos Engº João Cortesão, Dr. Fernando Caiado Sousa- Auditório

22.00
União Filarmónica do Troviscal

22.00
Concurso de Atrelagens (1 cavalo - 2 cavalos) Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


6 Julho - Domingo

10.00
Concurso Modelo e Andamentos - Raça Puro Sangue Lusitano

14.30
Atribuição do título de Campeão das Raças Atribuição do título de Campeão dos Campeões da 1ª Feira do Cavalo da Bairrada

16.00
Garraiada com a Escola de Toureio da Azambuja e Populares na Praça de Toiros

15.30
18ª Jornada do Campeonato Nacional de Horseball Masters

17.00
Grupo Etnográfico Bairrada Ribeirinha

17.30
Horseball - Jogo de demonstração da Selecção Nacional Sub 16

9.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

19.00
Corrida de Burros (eliminatórias e final)Corrida de Burros (engatados)

21.00
Cantares de Bustos

22.00
Noite do Pónei - Concursos (Atrelagens 1 - 2 Póneis) e Demonstrações (O Pónei e a Criança) Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


7 Julho - 2ª feira

9.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

21.00
Rancho Folclórico S. Pedro da Palhaça

21.00
Dia da Associação Equestre da Bairrada

22.00
Cavalhadas

22.00
Noite de Fados com José Guerreiro e outros Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira

8 Julho - 3ª feira

9.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

21.00
Grupo de Danças da Santa Casa da Misericórdia

22.00
Sarau da Escola Equestre de Aveiro Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


9 Julho - 4ª feira

17.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

21.00
Rancho As Vindimadeiras da Mamarrosa

22.00
Gala do Centro Equestre da Lezíria Grande - Mestre Luís ValençaDesfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


10 Julho - 5ª feira

9.00-20.00

Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

21.00
Cantares do Silveiro

22.00 Grupo Folclórico Estrelinhas do Cértoma Concurso de Cavalo de Sela “À Portuguesa” Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira

11 Julho - 6ª feira

9.00- 19.00
Concurso de Saltos de Obstáculos

17.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor Feira

21.00
Cantares do Moinhos

21.00
Final do Concurso de Saltos em Liberdade do Cavalo de Desporto - Poldros de 2 anos

22.00
Noite de Fados com José Cid, Zé Perdigão (“os Fados do Rock”) e Manuel João Ferreira

22.30
Concurso de Cavalo “Sela à Inglesa” Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


12 Julho - Sábado

9.00-23.00
Concurso de Saltos de Obstáculos

17.00
Grupo de Danças Estrelinhas do Cértoma

17.00-20.00
Demonstração de Saltos em liberdade do Cavalo de Desporto no Picadeiro Indoor

21.00
Grupo de Folclore Identidade Lusa

21.00
Final do Concurso de Saltos em Liberdade do Cavalo de Desporto de 3 anos

22.00
Concurso de Saltos de Obstáculos - Prova Masters Desfile de Cavalos e Cavaleiros na Manga da Feira


13 Julho - Domingo

9.00-19.00
Concurso de Saltos de Obstáculos

14.30
Concurso de Saltos de Obstáculos - Grande Prémio Cidade de Oliveira do Bairro

16.00
Grandiosa Corrida de Toiros com os Cavaleiros: João Salgueiro, Ana Baptista e António Brito Pais - Forcados de Montemor e Caldas da Rainha - Toiros da Herdade de Camarate

17.00
Rancho Folclórico S. Simão da Mamarrosa

21.00
Banda Filarmónica da Mamarrosa Desfile de Cavalos e Cavaleiros na manga da Feira

23.00
Encerramento da 1ª Feira do Cavalo da Bairrada

XII Feira Equestre da Moita


O Pavilhão Municipal de Exposições, na Moita, vai receber a XII Feira Equestre, que tem início esta quinta-feira e prolonga-se até dia 6 de Julho.Esta edição conta com a participação de um conjunto de pessoas do concelho da Moita ligadas à equitação e à criação de cavalos e com o apoio da Câmara municipal.


Do programa fazem parte eventos como o já tradicional Concurso de Salto, o Concurso e Apresentação de Poldros e o Concurso do Traje à Portuguesa.

A nível de campeonatos o certame conta com o Campeonato Nacional de Equitação do Trabalho e o I Campeonato Nacional Oficial de Portugal do Cavalo Puro Sangue Árabe.

A Noite de Fados com Anita Guerreiro, Música tradicional portuguesa pelo grupo «Maré de Sons», o espectáculo das Sevilhanas e Flamenco «Hijas del Flamenco» e «Soledad», assim como o espectáculo equestre «O orgulho Moitense: O Cavalo Ibérico» e a Gala Equestre com a Charanga a Cavalo da GNR, são outras das propostas que constam do programa que pode ser consultado em http://moita.setubalpeninsuladigital.pt/NR/rdonlyres/AB8475A4-9F24-45FE-A5CA-F35660BC3258/11449/ProgramadaXIIFeiraEquestre.pdf


quarta-feira, junho 04, 2008

Cavalos garranos abatidos a tiro em "Paisagem Protegida"




Cavalos garranos abatidos a tiro em "Paisagem Protegida"


Dez cavalos de raça Garrana foram mortos a tiro de caçadeira com zagalote em plena Paisagem Protegida de Corno de Bico, nos concelhos de Paredes de Coura e de Arcos de Valdevez. As autoridades estão a investigar mas até agora não encontraram motivos para o crime.



Um primeiro grupo de animais, três mortos e dois gravemente feridos, que foram posteriormente abatidos pelo veterinário municipal, foi encontrado na segunda-feira em vários locais da zona protegida, no concelho de Arco de Valdevez, noticiou o JN. Os outros cinco cavalos foram encontrados ontem, durante o dia, numa área daquela paisagem protegida pertencente ao concelho de Paredes de Coura, mortos também a tiro de caçadeira com zagalote (munição mortífera utilizada para capturar caça grossa).



"Ontem (segunda-feira) por volta das 16 horas, um colega meu sentiu uns tiros na serra, fui ver e quando lá cheguei já encontrei cinco garranos mortos e hoje (ontem) de manhã, encontrei os outros", afirmou ao JN o proprietário de grande parte dos garranos abatidos. Carlos Araújo terá sido o primeiro a alertar a GNR de Paredes de Coura para a situação na tarde de segunda-feira, afirmando que "não tenho suspeitos nem vejo motivos para uma coisa destas", revelando que irá "seguir a via judicial" apresentando uma queixa-crime contra incertos.

O caso está a ser investigado pela GNR e deverá, segundo fonte daquela força policial, ser participado ao Ministério Público (MP) na qualidade de "crime de dano".



A mesma fonte referiu não existir, até ao momento, qualquer explicação para o sucedido, acrescentando que "todos os animais vão ser removidos por uma equipa do Ministério da Agricultura, provavelmente, para um aterro sanitário da área de Lisboa".



De acordo com o Registo Zootécnico da raça, iniciado em 1994, em Portugal existirão cerca de duas mil cabeças - 1500 adultos e 500 poldros - dispersos por dezassete concelhos nas províncias do Minho e Trás-os-Montes.

A «chacina» de dez cavalos garranos em Paredes de Coura agudizou a ameaça de extinção daquela raça, que neste momento já conta com menos de 2000 animais, noticia a agência Lusa.
Para o presidente da Fundação Alter Real, Vítor Barros, o garrano é uma raça actualmente «muito ameaçada», precisamente por contar com poucos exemplares pelo que foi classificada como espécie protegida.

«Os dez cavalos vítimas da chacina de Paredes de Coura representavam mais de 0,5 por cento do total de garranos existentes em Portugal», salientou.
Sucedânea da Coudelaria de Alter, a Fundação Alter Real é a autoridade equina nacional, cabendo-lhe preservar as várias raças de cavalo autóctones, sobretudo o lusitano, o garrano e o sorraia.

«O cavalo garrano é um património genético muito importante, que tem que ser preservado, pelo que estamos muito preocupados com o que aconteceu em Paredes de Coura», acrescentou Vítor Barros.
Cavalos mortos a tiro de zagalote
A ameaça de extinção dos garranos decorre do facto de a criação desta raça exigir um regime «semi-selvagem», solta pelos montes, o que é cada vez mais difícil de conseguir, não só pela falta de espaços, mas sobretudo pelos conflitos que se geram quando os animais decidem invadir terrenos particulares.

Dez garranos foram encontrados mortos, nos últimos dias, na área da Paisagem Protegida de Corno de Bico, em Paredes de Coura, uma ocorrência que já está a ser investigada pela GNR e pelo Ministério Público.

Segundo o presidente da Câmara local, António Pereira Júnior (PS), dois poldros foram igualmente alvejados, mas um pôs-se em fuga e um outro já foi devidamente tratado pelo veterinário municipal e «está a recuperar bem».

Crime: autores desconhecidos

O autarca disse ainda que se «aventam» várias hipóteses para o crime, mas ressalvou que só as investigações policiais poderão explicar o caso.

«Há quem diga que foi pura maldade de alguém que terá passado por ali de motorizada, outros falam em eventual vingança por problemas pessoais mal resolvidos e há também quem admita que os disparos poderão eventualmente ter sido efectuados pelos proprietários dos terrenos invadidos pelos animais. Mas são tudo meras hipóteses, meras conjecturas, nada mais que isso», referiu.

Contactado pelo Portugal Diário, António Esteves, vereador da Câmara de Paredes de Coura, disse que «as autoridades ainda estão a investigar».

A câmara já comunicou o caso ao Instituto de Financiamento à Agricultura e Pescas, que se encarregou da remoção das carcaças esta quarta-feira.

Para Pereira Júnior, esta ocorrência vem novamente «pôr a nu» a urgente necessidade do Ministério da Agricultura elaborar uma regulamentação que «discipline» o pastoreio dos animais nos montes.

«O que acontece actualmente é que os animais são deixados à solta nos montes, muitas vezes sem qualquer identificação, e volta e meia descem às estradas e surgem inopinadamente no caminho das viaturas, provocando acidentes atrás de acidentes, ou invadem terrenos privados, destruindo colheitas e sementeiras. O problema é que, nessas alturas, o proprietário nunca aparece e a culpa acaba por morrer solteira», criticou.
http://diario.iol.pt/ - 2008-06-04

sábado, maio 03, 2008

IX Festa do Cavalo de Porto Salvo




IX edição da Festa do Cavalo - Porto Salvo

A IX edição da Festa do Cavalo irá ter lugar de 22 a 25 de Maio em Porto Salvo, no lugar da Aldeia do Meio.

Esta realização, apoiada pela Câmara Municipal de Oeiras, Junta de Freguesia de Porto Salvo e algumas associações equestres, nomeadamente, a Associação Portuguesa de Atrelagem e a Associação de Jogadores de Horseball, irá contar com um programa recheado de animação.

O evento contém, de forma descomprometida mas rigorosa, tudo o que é necessário para alcançar êxito e receber milhares de entusiastas, jornalistas e público em geral, tal como aconteceu na anterior edição, cujo sucesso superou todas as expectativas, cerca de 25 mil visitantes e a participação de duas centenas de cavaleiros e amazonas, além de vários expositores e tasquinhas.

A presente edição contará com cerca de 35 expositores, abrangendo as áreas da gastronomia, vinhos, artesanato, calçado, vestuário, etc.

A tenda principal é constituída por dois restaurantes, que estarão abertos em permanência, e um palco, onde actuarão grupos musicais, folclore nacional e internacional, fado, entre outros.

Atendendo ao programa que se desenha, espera-se superar o número visitantes, bem como de cavaleiros e amazonas, encontrando-se já reservadas cerca de 150 boxes individuais para cavalos, aguardando-se este ano um fluxo muito superior de animais, devido às diversas competições.

IXª Festa do Cavalo de Porto Salvo

PROGRAMA 2008

Quinta -feira, 22 de Maio.

Horário:
10.30 - Recepção aos participantes.
15.00 - Exibição de Grupo Coral Os RURAIS de Figueira de Cavaleiros.
16.00 - Horse-ball.
18.00 - Garraiada.
21:00 - Exibição do Rancho Folclórico “Flores da Beira” do Casal da Choca.
21.30 - Noite de Fados.

Sexta-feira, 23 de Maio.

Horário:
14.30 - Visita dedicada ás crianças da freguesia.
21.30 - Exibição de Rancho Folclórico “Os Rancheiros” de Vila Fria.
21.30 - Prova de Obstáculos.
- Open iniciados - Promovida pela Junta de Freguesia de Porto Salvo.
- Prova média caça – Promovida pela Junta de Freguesia de Paço de Arcos.
- Prova Grande – Tabela A c/ cronómetro com uma barrage, promovida pela Junta de Freguesia de Oeiras.
22.30 - Sevilhanas.
- Exibição de Tuna Académica da Universidade Atlântica.

Sábado, 24 de Maio.

Horário:
09.30 - Concentração de cavaleiros, amazonas e atrelagens. Inicio do 9º Passeio Equestre na Rota do Vinho de Carcavelos.
10.30 - Passagem em Oeiras no Largo da Igreja Matriz, seguindo-se uma Bênção aos presentes pelo Pároco local, seguindo-se pelo Palácio do Marquês de Pombal com recepção de boas vindas pelo representante da autarquia.
11.00 - Oferta de um “Carcavelos de Honra”.
11.30 - Picaria - Toureio a campo na Quinta do Marquês de Pombal.
13.00 - Distribuição de lembranças e Medalha Comemorativa do Evento.
15.00 - Atrelagem – 1ª mão do Campeonato Nacional de Derbys - Prova promovida pela CIMA- Centro de Inspecção.
19.00 - Horse-ball - Jornada Campeonato Nacional Masters.
21.30 - Exibição Equestre pelo Centro Hípico da Costa do Estoril - Exibição de Rancho Folclórico “Os Minhotos da Ribeira da Lage”.
22.00 - Sevilhanas.- Exibição de Tuna Académica da Universidade Atlântica.
22.30 - Gala Equestre pelo Centro Equestre Lezíria Grande.
23.30 - Cavalhadas – Provas de Perícia e Destreza.
24.00 - Garraiada (Ferro da meia noite).

Domingo, 25 de Maio.

Horário:
11.00 - Atrelagem adaptada.
13.00 - Atrelagem – 2ª mão do Campeonato Nacional de Derby - Prova promovida pela CIMA- Centro de Inspecção.
16.00 - Concentração e desfile de todos os Cavaleiros, Amazonas e Atrelagens.
Atribuição do Troféu Drº José da Cunha ao melhor conjunto.
Distribuição de lembranças e Medalha Comemorativa do Evento.
- Exibição Equestre pelo Centro Hípico da Costa do Estoril.
- Sevilhanas.
17.00 - Horse-ball - Jornada Campeonato Nacional Masters.

Todos os dias:

-Demonstração de Siderotécnia.
-Exposição de Artesanato
-Desfile de Amazonas, Cavaleiros e Atrelagens na Manga da Feira.

sábado, janeiro 12, 2008

1º Leilão do Ribatejo

1º Leilão do Ribatejo – CNEMA 2008






A Confraria dos Cavaleiros da Falcoaria Real de Salvaterra de Magos vai realizar o 1.º Leilão do Ribatejo no dia 26 de Janeiro de 2008, no CNEMA em Santarém.

Este leilão está aberto a todos os cavalos, pertencentes ou não a confrades da CCFRSM, qualquer que seja a sua origem, e tem como única condição a de estarem inscritos no Livro Genealógico da Respectiva Raça possuindo toda a documentação exigida.

Pretende-se também leiloar cobrições, exclusivamente de garanhões aprovados e inscritos como reprodutores, pelas direcções dos respectivos Livros Genealógicos.

Se pretende inscrever-se como vendedor ou como comprador, ou receber notícias deste leilão contacte:

Confraria dos Cavaleiros da Falcoaria Real de Salvaterra de Magos Apartado 582121 - 901 Salvaterra de Magos


Telf. 93 3849645

As fichas de inscrição e o regulamento do leilão estão disponiveis no site da confraria:

sábado, novembro 10, 2007

XXXII Feira Nacional do Cavalo e a IX Feira Internacional do Cavalo Lusitano

Está a realizar-se na Capital do Cavalo - Golegã desde o dia 2 até ao dia 11 de Novembro, a XXXII Feira Nacional do Cavalo e a IX Feira Internacional do Cavalo Lusitano. Para todos os amantes do "Filho do Vento", o programa encontra-se no link abaixo indicado.
 

segunda-feira, agosto 20, 2007

Mira: foto 1

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 2

Mira, 14 de Agosto de 2007.

Mira: foto 3

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 4

A minha "mais que tudo", em grande estilo...



Mira, 14 de Agosto em 2007.


Mira: foto 5

E a Joana, também!
Mira, 17 de Agosto de 2007.


Mira: foto 6

Até a Belita andou...
Mira, 17 de Agosto de 2007.



Mira: foto 7

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 8

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 9

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 10

Mira, 17 de Agosto de 2007.

Mira: foto 11

Mira, 14 de Agosto de 2007.

Mira: passeio a cavalo na praia

Pois é, estive de férias. Já não era sem tempo! Sol, praia e claro, cavalos. Tudo isto na companhia da minha "mais que tudo" e amigos.
Mira, 14 de Agosto de 2007.